10 anos de música, fotografia e lembranças


Signed by artists prints – Images by Roger Sassaki

Ir a um bom show, fotografar de perto, backstage com o artista. Por que não?

Há dez anos, esta pergunta surgiu de uma outra dúvida pessoal. Estava cursando a faculdade de fotografia (depois de três anos estudando Física!) e me questionei que tipo de fotografia eu iria fazer comercialmente. Poderia ser publicitária, jornalismo de rua, esporte e mais toda a infinidade de possibilidades deste meio. Mas tendo já alguma experiência em trabalhos “malas”, daqueles que se tornam um pesadelo sem fim, resolvi colocar a dúvida na seguinte perspectiva: O que eu posso fazer mesmo nos meus piores dias?

Música e foto!

É a simples junção das minhas duas paixões da adolescência. O prazer que sempre tive em escutar um bom disco, pesquisar artistas e tocar minha guitarra eram intercalados com a câmera fotográfica herdada dos pais. Logo, pensei: é.. acho que mesmo naquele dia em que tudo deu errado, acho que ainda conseguiria ir a um bom show, relaxar com a música e ocupar a cabeça com foto. Muito negativo da minha parte? Mas foi isso mesmo. Pois já havia fotografado alguns shows no pequeno palco que havia em minha escola de música e aquilo sempre foi um prazer duplo.

Recentemente, revi meu acervo de fotos, ampliadas por mim ainda em papel fotográfico de prata, autografadas pelos próprios artistas. Fotos de vários anos, e cada uma me trazendo de volta a memória daquela noite. É como ouvir um bom disco e lembrar das outras vezes que o escutou, onde estava e com quem. Uma destas fotos não tem o autógrafo do músico, mas é muito especial.

Diana Krall

A cantora e pianista Diana Krall em apresentação em 12 de setembro de 2000. Muitos problemas técnicos nessa imagem, mas marcou o início profissional das fotografias de show.

O retrato data de 12 de setembro de 2000. Palco do clube de jazz Bourbon Street Music Club em São Paulo, um piano de cauda preto e uma loura cantando, seus pés marcando o ritmo. É a Diana Krall, no primeiro show fotografado nesse clube e também o evento que considero ser o início de uma abordagem mais séria na fotografia de shows. Foi uma aventura conseguir chegar lá naquele dia, agachado em frente ao palco.

Fã da artista, já havia visto em seu site oficial que o show estava marcado. Liguei para a casa de shows para tentar convencê-los a me deixar fotografar. Mas convencer com o que? Com uma enorme antecedência, meses, tentei entrar em contato com a produção e assessoria de imprensa. A Diana Krall nem era tão famosa quanto hoje, mas já era uma artista de destaque e bem conhecida aos amantes de jazz. A autorização para fotografar veio do produtor da casa e agora amigo Herbert Lucas na minha última tentativa desesperada, uma ligação telefônica a dez minutos do começo do show!

A noite seguiu perfeita, aparte do óbvio nervosismo. Estava lá eu a um braço de distância da Diana Krall. Tiro foto ou seguro no pé? Graças a minha sábia escolha pela foto, consegui continuar fotografando outros shows. Foram uns três ou quatro rolos de filme entre TMax 3200 e Fuji Press 800, que juntos ao Delta 3200 foram os filmes de escolha durante a minha fase analógica. Ao final, consegui ainda conversar com ela um pouco antes dela entrar em seu carro. Estava com meu portfolio comigo para, finalmente mostrá-lo ao Boubon, e escolhi uma foto para dar a ela. A imagem é uma cena na Bahia que diz ela em um encontro posterior, pendurou em sua parede. A rápida conversa acabou com um “tchau” meu e um beijo dela! Depois, sozinho lá na calçada pensei: é, esse foi um bom dia de trabalho! Quero fazer mais.

Na mesma noite conheci também um dos proprietários da casa, e posteriormente sua esposa, Edgar e Célia Radesca. Ambos, sempre muito amáveis. Aliás, diria que os grandes incentivadores do começo até hoje. E o Bourbon desde então se tornou um lugar onde sempre volto para fotografar. Com o tempo, fiz amizades com toda a equipe da casa e do escritório. Das coisas aprendidas nesse percurso tenho até curso de barmen dado pelo grande Juan!

Após algumas apresentações, adotei um modo de trabalho meio kamikasi. Fotografava o primeiro dia de apresentação do artista, corria para casa e revelava os filmes, dormia, acordava e ampliava as fotos na minha casa ou nos laboratórios do Senac da Lapa em tamanho 40x60cm em papel fibra. Levava na noite seguinte as cópias ao segundo dia de show. Quem já mexeu com laboratório químico sabe o trabalho que dá processar essas folhas grandes. Muitas vezes, as cópias não secavam a tempo e lá ia eu para o Bourbon ou outro lugar com as janelas do carro abertas para secar as cópias no caminho. O que isso rendeu foi uma grande relação com os músicos e com o Bourbon St. que agora mantém um grande acervo de imagens minhas autografadas pelos artistas. E para mim, as vezes também dava pra ter uma cópia autografada. É esse acervo que você vê aqui.

Hoje em dia ainda fotografo muitos shows. O modo mudou um pouco. Câmeras digitais de alta sensibilidade como a Nikon D3 e impressão a jato de tinta. Não preciso mais montar todo o circo aquático que é o laboratório PB. Não que eu não goste, mas ficou um pouco impraticável (essa é a minha desculpa oficial para mim mesmo). Mas imprimir também é divertido e não bagunça o banheiro de casa.

Pretendo em breve colocar a venda uma série de fotos de shows para quem quiser colecionar. Serão feitas por mim mesmo, em alta qualidade. Quem tiver interesse entre em contato comigo para que eu possa avisar de primeira mão.

Ao longo de todos esses anos, ví e fotografei muitos shows, vou tentar fazer uma lista incompleta. Lá vai:

  • Aaron Goldberg
  • Alcione
  • Arthur Maia
  • B.B. King
  • Banda Mantiqueira
  • Beatriz Azevedo
  • Ben Wolfe
  • Blue Jeans
  • Brad Mehldau
  • Carla Cook
  • Cassandra Wilson
  • Cat Power – Chan Marshall
  • Charlie Musselwhite
  • Chico Pinheiro
  • Chucho Valdés
  • Cibelle
  • Cordel do Fogo Encantado
  • Courtney Pine
  • Dan Faehnle
  • Danilo Caymmi
  • Danilo Perez
  • Dennis Chambers
  • Diana Krall
  • Diane Schuur
  • Diane Shur
  • Dianne Reeves
  • Ed Motta
  • Eddy Clearwater
  • Edu Luke
  • Esperanza Spalding
  • Família Caymmi
  • Gafieira São Paulo
  • George Benson
  • Gregory Huchinson
  • Havana Brasil
  • Ibrahim Ferrer
  • James Burton
  • James Carter
  • Jane Monheit
  • Jô Soares & Sexteto
  • Joel Frahm
  • John Patitucci
  • John Pizzarelli
  • John Scofield
  • Joseph Martin
  • Joshua Redman
  • Joss Stone
  • Kenny Garrett
  • Kevin Mahogany
  • Kurt Elling
  • Lany Goldin
  • Lawrence Grenadier
  • Lenine
  • Leo Gandelman
  • Lizz Wright
  • Luciana Souza
  • Macy Gray
  • Mahogany Blue
  • Marcus Miller
  • Maria Rita
  • Marina de La Riva
  • Mark Seliger, Rusty Truck
  • Martin Pizzarelli
  • Masters of Groove
  • Medeski Martin & Wood
  • Mercedes Sosa
  • Mike Stern
  • Milton Nascimento
  • Nelson Ayres
  • New York Voices
  • Nicholas Payton
  • Nnenna Freelon
  • Norah Jones
  • O Teatro Mágico
  • Orlando “Cachaíto” López
  • Paula Toller
  • Paulinho da Viola
  • Pedro Mariano
  • Phill Woods
  • Ravi Coltrane
  • Ray Kennedy
  • Regina Carter
  • Rick Montalbano
  • Roberto Fonseca
  • Rodney Green
  • Romero Lubambo
  • Ron Carter
  • Ron Wood
  • Roy Hargrove
  • Roy Haynes
  • Russell Malone
  • Sandy Lima
  • Silvia Machete
  • Simone
  • T.S. Monk
  • Tatiana Parra
  • Temptations
  • Terence Blanchard
  • Thalma de Freitas
  • Toninho Horta
  • Tony Hall
  • Vernon Reid
  • Verônica Ferriani
  • Victor Brooks
  • Vinícius Calderoni
  • Zé Ricardo
  • Zizi Possi
Posted on under Concertos / Destaque

Deixe uma resposta